segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Lisboa, secreta e misteriosa.

 
 


Santuário Fushimi Inari (Quioto).

 


Fotografias de José Liberato
 

Há cinquenta anos.

 











 



Lisboa, secreta e misteriosa.

 

Os Alpes e o Monte Branco.

 





Fotografias de Onésimo Teotónio de Almeida

Lisboa, secrerta e misteriosa.

 

Lisboa, secreta e misteriosa.

 
 
 

Profumo.

 
 

S/título.

 
"Sombras nucleares", Japão, 1945

 
A Humanidade tem um doutoramento Horroris Causa.
 
Ricardo Álvaro





domingo, 10 de dezembro de 2017

Lisboa, secreta e misteriosa.

 


A nuvem que não sabia os verbos.

 
 


A nuvem que não sabia os verbos
 
Era uma vez uma nuvem que não sabia os verbos, porque dizia:
− Eu chovo, tu choves, ele chove…
− Não, nuvem, não é assim! – dizia o professor Sol.
De noite a nuvem até estudava mais com os pais, o vento e a tempestade.
Um dia foi falar com a amiga estrela que lhe disse:
− Podias nos intervalos estudar comigo!
− Está bem.
E todos os dias a nuvem estudava com a estrela, que de dia quase não se via.
No fim do período, a nuvem já sabia os verbos todos e por se ter esforçado teve um 100%. Mas não teria conseguido sem a ajuda da estrela e a primeira coisa que fez foi agradecer-lhe.
 
Fim
 
Margarida Araújo
 
(em data indefinida, mas há alguns anos.)
 
 
Post-scriptum - obrigado Graça, obrigado Marcos, do pai da Margarida Araújo.


Lisboa, secreta e misteriosa.

 


Há cinquenta anos.

 








Lisboa, secreta e misteriosa.

 

Lisboa, secreta e misteriosa.

 
 
 

Lisboa, secreta e misteriosa.

 

Algumas capas dignas de registo e até publicitação.